ETIQUETA NOS NEGÓCIOS, O QUE PODE E O QUE NÃO DEVE

O tema não é novo. Há artigos e bons livros sobre ele. Contudo, de tempos em tempos, faz-se necessário um recall das boas maneiras e comportamentos mais adequados no ambiente de negócios. Novos profissionais ascendem às posições de comando e alguns demoram um pouco para se adaptar à cultura da empresa, embora algumas boas práticas comportamentais sejam universais.

Ao longo de sua carreira corporativa é esperado que você deixe um legado profissional. Ele está intimamente ligado com sua imagem pessoal e reputação. A imagem se constrói diariamente e seus êxitos de hoje nem sempre serão lembrados daqui a algum tempo.

Em minha carreira, ao longo de mais de 32 anos, tive o privilégio de conhecer bem, seis culturas corporativas distintas, no Brasil e no país sede de cada matriz. Alguns valores são locais e o profissional deve se esforçar para conhecer a cultura da empresa, de modo a orientar o seu próprio comportamento em reuniões, comunicações internas, encontros sociais e claro, na relação interpessoal. Uma postura equivocada ou interjeição mal colocada, em algumas empresas podem ter efeito negativo de imediato e em outras, passar despercebido.

Há culturas empresariais que fomentam o conflito e discussões ruidosas nas reuniões. Outras, abominam o conflito e suspendem as reuniões em casos onde o consenso parece não ter sido incluído no primeiro item da pauta.

“Mostrar a sola do sapato no Oriente Médio pode resultar na perda de um negócio milionário; entregar um cartão de visitas para um oriental, com o tradicional desprezo que fazemos no mundo ocidental é sinal de desrespeito; não obedecer à hierarquia ao subir uma escada ou ao entrar no elevador, pode resultar em uma advertência; em alguns países, chama-se a pessoa pelo sobrenome e em outros, pelo primeiro nome; em algumas culturas, sorrir pode ser entendido como falsidade ou liberdade não apropriada para o momento. Há locais onde o aperto de mão deve ser firme, mas em outros, um aperto de mão firme pode ser entendido como postura agressiva. Em algumas culturas é possível um bate-papo informal antes das reuniões, em outras, nem pensar.”

Bem, recomendo que o profissional procure conhecer as melhores formas de conquistar a confiança no ambiente em que estiver inserido, de modo que susceptibilidades culturais não sejam feridas.

A seguir, listo alguns comportamentos universais que devem ser observados pelos novos profissionais que assumem posições de liderança em negociações, internas e externas, coisas simples que no dia a dia ajudarão a compor sua imagem e reputação. A bem da verdade, essas recomendações valem para todos na organização, independentemente das posições hierárquicas. É o recall das etiquetas corporativas, algumas adequadas à nova realidade tecnológica.

1. Em reuniões: não bata a porta da sala, não roa as unhas, não se distraia fazendo desenhos no caderno, muito menos com as mídias sociais ou e-mails no smartphone e não cruze as pernas. Evite conversas paralelas e não cochiche com a pessoa ao seu lado. Não interrompa quem estiver falando, a não ser que seja para colaborar positivamente com a tese que o interlocutor estiver apresentando, mesmo assim, que seja uma interrupção curta. Mas, cuidado, em algumas culturas uma interrupção pode significar a sua exclusão da lista de convidados para a próxima reunião.

2. Agendas ocultas: procure evitar. Na maioria das corporações é uma boa maneira de se fazer inimigos corporativos.

3. Cumprimentos e apresentações. Ao cumprimentar pela primeira vez, olhe nos olhos e incline um pouco a cabeça para frente. Na maioria das culturas é um sinal de gentileza e respeito e costuma ser bem recebido pela outra parte. Diga seu nome completo e se houver troca de cartões, receba o cartão da outra pessoa com as duas mãos, lendo-o com atenção antes de guardá-lo no bolso do paletó. Se a reunião for ao redor de uma mesa, mantenha o cartão de visitas da pessoa sobre a mesa. Evite cumprimentar as pessoas com a mão suada e lave o rosto durante o dia. Não abrace e não dê tapinhas nas costas de quem você não é íntimo. Ao cumprimentar uma mulher, não dê “beijinhos”. Ao ser apresentado a alguém, levante-se. Tente chamar as pessoas pelo nome (ou sobrenome).

4. E-mails: uma doença corporativa. Procure responder as mensagens recebidas e se você estiver em cópia, só responda com cópia para os demais caso você tenha realmente algo importante para acrescentar. Evite discussões e contestações públicas por e-mails; para isso, prefira uma conversa pessoal. Jamais deixe os copiados em uma situação de constrangimento. Não envie e-mails com cópia-oculta, pois o copiado pode não notar e replicar para outras pessoas e isso não ficará bem para você, afetando o nível de confiança. Escreva somente o necessário e não responda as provocações na mesma intensidade. Quando você receber o terceiro e-mail sobre um mesmo assunto, é momento de parar com a troca de mensagens e chamar uma reunião. Tome a iniciativa.

5. Nunca aponte o dedo para alguém em uma sala de reunião ou em uma conversa no ambiente profissional. Se for apontar para algum local ou até mesmo para a tela de projeção, utilize dois dedos juntos.

6. Restaurantes: mantenha modos aceitáveis no restaurante e evite comer como se estivesse retornando de uma missão na selva. Não faça sujeira na mesa ou no chão ao cortar o pão com as mãos e em caso de acidentes com um copo de água, peça desculpas e cubra com o guardanapo. Não beba álcool em um almoço de negócios e, no caso de jantares sociais promovidos pela empresa, conheça seus limites para evitar vexame. Acredite, as pessoas ao seu redor observam tudo isso e você será o assunto por muito tempo. Se você estiver em uma mesa de almoço ou jantar, em outro país e lhe oferecerem algo para comer cuja aparência não revele o conteúdo de imediato, não tenha receio em dizer que você é vegetariano, isso não ofende o anfitrião, mas é importante avisar antes do início da refeição. Se o anfitrião lhe oferecer álcool e você tiver a chance de recusar, há várias formas delicadas de fazê-lo, sem ofender. Por fim, quem convidou, para o almoço ou jantar, deve pagar a conta.

7. Após os encontros, sempre envie uma nota simples de agradecimento, é elegante e de bom tom.

8. Aparência. Vista-se bem, adequadamente ao momento e ao ambiente, seja formal, social ou “casual”, mas não se descuide da higiene pessoal. Isso pode afastar as pessoas de você.

9. WhatsApp – Evite escrever vários textos curtos e clicar o comando de envio por várias vezes seguidas. Escreva um único texto e envie uma única vez, de preferência, sempre em letras minúsculas, mas desligue o aparelho ou o som em uma reunião.

10. Humildade. Na empresa, cumprimente verbalmente todas as pessoas com um “bom dia”, seja o porteiro, a moça da limpeza, o colega de trabalho ou o presidente. Isso lhe fará muito bem.

11. Serviços de terceiros. Ao solicitar a cotação de um trabalho externo, responda para as empresas que lhe enviaram a cotação, mesmo que a resposta seja negativa. A ausência de resposta para uma empresa de consultoria, por exemplo, poderá fazer com que você não tenha resposta no seu próximo pedido de cotação, ou que receba um preço bem mais alto. Lembre-se que, para fornecedores externos, você representa a empresa e a sua atitude pode ser confundida com a própria política corporativa.

12. Pontualidade. Seja pontual e caso se atrase para uma reunião por razões que fujam ao seu controle, como trânsito, por exemplo, avise com antecedência que irá se atrasar e explique o motivo. Na maioria das vezes, as pessoas toleram essa situação, desde que a desculpa não seja repetitiva.

13. Recados. Retorne as ligações e nunca prometa aquilo que não poderá cumprir.

14. Humor no ambiente de trabalho. Há um momento certo para cada comportamento dentro do ambiente corporativo. Respeito, seriedade, retidão de conduta, educação, simpatia, cooperação e bom-humor são muito apreciados, mas o humor em excesso pode prejudicar uma carreira. O “Palhaço Corporativo” geralmente nunca é lembrado para as promoções mais importantes. O ambiente corporativo não é lugar para “stand up comedy”, a não ser que a empresa seja a própria produtora dos espetáculos teatrais.

15. Mentira: não minta. No ambiente corporativo a mentira tem as pernas e os braços curtos. Pernas curtas porque não vai longe e não se sustenta; braços curtos porque o mentiroso, geralmente não produz. Lembre-se: se você disser sempre a verdade, não precisará se lembrar de nada depois.

A Etiqueta Empresarial é uma combinação de comportamentos, atitudes, tradição, cerimônias, estilos e cultura, utilizados para transformar o relacionamento pessoal em agendas positivas. Pode destruir ou impulsionar uma carreira.

Há muitos outros itens que eu poderia incluir nesse texto, mas para evitar que fique longo demais, vou deixá-los para uma próxima oportunidade.

A presença da ética corporativa não elimina a necessidade da boa etiqueta empresarial.

Orlando Merluzzi – 09-08-2017


Acesse o artigo no LinkedIn por meio do link abaixo:

Etiqueta nos negócios – LinkedIn

Site do autor: Orlando Merluzzi

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s