Onde sua empresa estará daqui a 5 anos? Rápidas mudanças no ambiente corporativo.

Acesse o canal do Pensamento Corporativo no YouTube e assista ao novo vídeo. Inteligência artificial, energia renovável, transportes autônomos, supercomputadores, machine learning, deep learning. Muitas mudanças, rápidas mudanças. Você, está preparado?

Inscreva-se no canal. Curta, comente, divulgue.

Para acessar diretamente, click no link abaixo.

https://www.youtube.com/channel/UC3Y6KnZci6SNDyNPkIQVFXg


 

ETIQUETA NOS NEGÓCIOS, O QUE PODE E O QUE NÃO DEVE

O tema não é novo. Há artigos e bons livros sobre ele. Contudo, de tempos em tempos, faz-se necessário um recall das boas maneiras e comportamentos mais adequados no ambiente de negócios. Novos profissionais ascendem às posições de comando e alguns demoram um pouco para se adaptar à cultura da empresa, embora algumas boas práticas comportamentais sejam universais.

Ao longo de sua carreira corporativa é esperado que você deixe um legado profissional. Ele está intimamente ligado com sua imagem pessoal e reputação. A imagem se constrói diariamente e seus êxitos de hoje nem sempre serão lembrados daqui a algum tempo.

Em minha carreira, ao longo de mais de 32 anos, tive o privilégio de conhecer bem, seis culturas corporativas distintas, no Brasil e no país sede de cada matriz. Alguns valores são locais e o profissional deve se esforçar para conhecer a cultura da empresa, de modo a orientar o seu próprio comportamento em reuniões, comunicações internas, encontros sociais e claro, na relação interpessoal. Uma postura equivocada ou interjeição mal colocada, em algumas empresas podem ter efeito negativo de imediato e em outras, passar despercebido.

Há culturas empresariais que fomentam o conflito e discussões ruidosas nas reuniões. Outras, abominam o conflito e suspendem as reuniões em casos onde o consenso parece não ter sido incluído no primeiro item da pauta.

“Mostrar a sola do sapato no Oriente Médio pode resultar na perda de um negócio milionário; entregar um cartão de visitas para um oriental, com o tradicional desprezo que fazemos no mundo ocidental é sinal de desrespeito; não obedecer à hierarquia ao subir uma escada ou ao entrar no elevador, pode resultar em uma advertência; em alguns países, chama-se a pessoa pelo sobrenome e em outros, pelo primeiro nome; em algumas culturas, sorrir pode ser entendido como falsidade ou liberdade não apropriada para o momento. Há locais onde o aperto de mão deve ser firme, mas em outros, um aperto de mão firme pode ser entendido como postura agressiva. Em algumas culturas é possível um bate-papo informal antes das reuniões, em outras, nem pensar.”

Bem, recomendo que o profissional procure conhecer as melhores formas de conquistar a confiança no ambiente em que estiver inserido, de modo que susceptibilidades culturais não sejam feridas.

A seguir, listo alguns comportamentos universais que devem ser observados pelos novos profissionais que assumem posições de liderança em negociações, internas e externas, coisas simples que no dia a dia ajudarão a compor sua imagem e reputação. A bem da verdade, essas recomendações valem para todos na organização, independentemente das posições hierárquicas. É o recall das etiquetas corporativas, algumas adequadas à nova realidade tecnológica.

1. Em reuniões: não bata a porta da sala, não roa as unhas, não se distraia fazendo desenhos no caderno, muito menos com as mídias sociais ou e-mails no smartphone e não cruze as pernas. Evite conversas paralelas e não cochiche com a pessoa ao seu lado. Não interrompa quem estiver falando, a não ser que seja para colaborar positivamente com a tese que o interlocutor estiver apresentando, mesmo assim, que seja uma interrupção curta. Mas, cuidado, em algumas culturas uma interrupção pode significar a sua exclusão da lista de convidados para a próxima reunião.

2. Agendas ocultas: procure evitar. Na maioria das corporações é uma boa maneira de se fazer inimigos corporativos.

3. Cumprimentos e apresentações. Ao cumprimentar pela primeira vez, olhe nos olhos e incline um pouco a cabeça para frente. Na maioria das culturas é um sinal de gentileza e respeito e costuma ser bem recebido pela outra parte. Diga seu nome completo e se houver troca de cartões, receba o cartão da outra pessoa com as duas mãos, lendo-o com atenção antes de guardá-lo no bolso do paletó. Se a reunião for ao redor de uma mesa, mantenha o cartão de visitas da pessoa sobre a mesa. Evite cumprimentar as pessoas com a mão suada e lave o rosto durante o dia. Não abrace e não dê tapinhas nas costas de quem você não é íntimo. Ao cumprimentar uma mulher, não dê “beijinhos”. Ao ser apresentado a alguém, levante-se. Tente chamar as pessoas pelo nome (ou sobrenome).

4. E-mails: uma doença corporativa. Procure responder as mensagens recebidas e se você estiver em cópia, só responda com cópia para os demais caso você tenha realmente algo importante para acrescentar. Evite discussões e contestações públicas por e-mails; para isso, prefira uma conversa pessoal. Jamais deixe os copiados em uma situação de constrangimento. Não envie e-mails com cópia-oculta, pois o copiado pode não notar e replicar para outras pessoas e isso não ficará bem para você, afetando o nível de confiança. Escreva somente o necessário e não responda as provocações na mesma intensidade. Quando você receber o terceiro e-mail sobre um mesmo assunto, é momento de parar com a troca de mensagens e chamar uma reunião. Tome a iniciativa.

5. Nunca aponte o dedo para alguém em uma sala de reunião ou em uma conversa no ambiente profissional. Se for apontar para algum local ou até mesmo para a tela de projeção, utilize dois dedos juntos.

6. Restaurantes: mantenha modos aceitáveis no restaurante e evite comer como se estivesse retornando de uma missão na selva. Não faça sujeira na mesa ou no chão ao cortar o pão com as mãos e em caso de acidentes com um copo de água, peça desculpas e cubra com o guardanapo. Não beba álcool em um almoço de negócios e, no caso de jantares sociais promovidos pela empresa, conheça seus limites para evitar vexame. Acredite, as pessoas ao seu redor observam tudo isso e você será o assunto por muito tempo. Se você estiver em uma mesa de almoço ou jantar, em outro país e lhe oferecerem algo para comer cuja aparência não revele o conteúdo de imediato, não tenha receio em dizer que você é vegetariano, isso não ofende o anfitrião, mas é importante avisar antes do início da refeição. Se o anfitrião lhe oferecer álcool e você tiver a chance de recusar, há várias formas delicadas de fazê-lo, sem ofender. Por fim, quem convidou, para o almoço ou jantar, deve pagar a conta.

7. Após os encontros, sempre envie uma nota simples de agradecimento, é elegante e de bom tom.

8. Aparência. Vista-se bem, adequadamente ao momento e ao ambiente, seja formal, social ou “casual”, mas não se descuide da higiene pessoal. Isso pode afastar as pessoas de você.

9. WhatsApp – Evite escrever vários textos curtos e clicar o comando de envio por várias vezes seguidas. Escreva um único texto e envie uma única vez, de preferência, sempre em letras minúsculas, mas desligue o aparelho ou o som em uma reunião.

10. Humildade. Na empresa, cumprimente verbalmente todas as pessoas com um “bom dia”, seja o porteiro, a moça da limpeza, o colega de trabalho ou o presidente. Isso lhe fará muito bem.

11. Serviços de terceiros. Ao solicitar a cotação de um trabalho externo, responda para as empresas que lhe enviaram a cotação, mesmo que a resposta seja negativa. A ausência de resposta para uma empresa de consultoria, por exemplo, poderá fazer com que você não tenha resposta no seu próximo pedido de cotação, ou que receba um preço bem mais alto. Lembre-se que, para fornecedores externos, você representa a empresa e a sua atitude pode ser confundida com a própria política corporativa.

12. Pontualidade. Seja pontual e caso se atrase para uma reunião por razões que fujam ao seu controle, como trânsito, por exemplo, avise com antecedência que irá se atrasar e explique o motivo. Na maioria das vezes, as pessoas toleram essa situação, desde que a desculpa não seja repetitiva.

13. Recados. Retorne as ligações e nunca prometa aquilo que não poderá cumprir.

14. Humor no ambiente de trabalho. Há um momento certo para cada comportamento dentro do ambiente corporativo. Respeito, seriedade, retidão de conduta, educação, simpatia, cooperação e bom-humor são muito apreciados, mas o humor em excesso pode prejudicar uma carreira. O “Palhaço Corporativo” geralmente nunca é lembrado para as promoções mais importantes. O ambiente corporativo não é lugar para “stand up comedy”, a não ser que a empresa seja a própria produtora dos espetáculos teatrais.

15. Mentira: não minta. No ambiente corporativo a mentira tem as pernas e os braços curtos. Pernas curtas porque não vai longe e não se sustenta; braços curtos porque o mentiroso, geralmente não produz. Lembre-se: se você disser sempre a verdade, não precisará se lembrar de nada depois.

A Etiqueta Empresarial é uma combinação de comportamentos, atitudes, tradição, cerimônias, estilos e cultura, utilizados para transformar o relacionamento pessoal em agendas positivas. Pode destruir ou impulsionar uma carreira.

Há muitos outros itens que eu poderia incluir nesse texto, mas para evitar que fique longo demais, vou deixá-los para uma próxima oportunidade.

A presença da ética corporativa não elimina a necessidade da boa etiqueta empresarial.

Orlando Merluzzi – 09-08-2017


Acesse o artigo no LinkedIn por meio do link abaixo:

Etiqueta nos negócios – LinkedIn

Site do autor: Orlando Merluzzi

 

As dez marcas mais valiosas do mundo. Who is next?

Periodicamente, as agências de pesquisa e avaliação de Marcas emitem relatórios definindo um valor para cada marca no mercado. As principais agências seguem metodologia própria e algumas estabelecem parâmetros que tornam-se referências. Muitos ainda confundem o valor de uma marca com o valor do negócio em si. São coisas bem diferentes e não se calcula o valor de uma marca pelo método do fluxo de caixa descontado.

Minha análise hoje não entra em fórmulas ou conceitos. Quero chamar atenção para a movimentação das marcas em consonância com as novas tendências tecnológicas, em valor e em percepção na mente do consumidor.

Preste atenção no gráfico e tente compreender o que ele nos diz.

É fácil identificar que as empresas de tecnologia assumiram as seis primeiras posições em 2017, segundo o mais recente relatório BrandZ publicado pela WPP e Kantar Millward Brown. Extraí, propositalmente, do gráfico, os valores em bilhões de dólares estabelecidos para cada marca, pois o que me interessa nessa análise é a “dança das marcas” nos últimos anos e o que podemos esperar para os próximos cinco ou dez anos.

Tendências:

Entre as dez marcas mais valiosas do mundo em 2017, oito delas atuam no segmento de tecnologia, agora englobando a inteligência artificial e a internet das coisas, além das telecomunicações. Ao olharmos para o ano de 2007, apenas quatro entre as dez primeiras marcas mais valiosas do mundo eram do segmento de tecnologia, sendo que o foco era softwareinternet e telecom.

Outra análise que impressiona, segundo os critérios da BrandZ é que as cinco primeiras marcas mais valiosas em 2017, a saber: Google, Apple, Microsoft, Amazon e Facebook, valem juntas, hoje, 890 bilhões de dólares, mas em 2007, essas mesmas marcas valiam juntas, apenas 152 bilhões de dólares.

Como imaginar esse quadro daqui a alguns anos?

Indústria 4.0, gestão global descentralizada, energia limpa, veículos que não emitem ruído do motor e nenhuma partícula poluente, conectividade, carros autônomos e empresas com frotas de veículos virtuais, redes hoteleiras sem possuir, fisicamente, um único quarto de hotel, supercomputadores que farão a medicina diagnóstica com maior precisão a milhares de quilômetros de distância do paciente, o Watson da IBM que substitui advogados, médicos, engenheiros e corretores de imóveis, fazendas de geração de energia instaladas no mar, e tantas outras evoluções que, para nenhum espanto, já existem hoje.

Quais as empresas que estarão entre as “Top 10” no ano de 2022? Quantas delas serão chinesas? Quantos “petaflops” de capacidade de processamento terá o maior supercomputador do mundo, ultrapassando os atuais 93 petaflops do Sunway Taihulight chinês? A quem pertencerá esse novo supercomputador? Será da Google, da Microsoft ou da Baidu?

Todas essas mudanças estão ocorrendo muito rápido e talvez, algumas pessoas não consigam acompanhar a evolução tecnológica nos próximos dez anos. Contudo, não há motivo para entrar em depressão por causa disso, afinal, sempre poderemos “discutir a relação” com Cortana, Siri ou Google Home, robôs que nos acompanham 24 horas por dia e estão ficando mais inteligentes e independentes. Eles, ou elas, não lhe deixarão sentir-se só.

Nota: Um “petaflop” representa pouco mais de um quatrilhão de cálculos por segundo.

Orlando Merluzzi – 01/08/2017

Siga o Pensamento Corporativo Ponto Com

Frases famosas cujo autor não recebeu o devido crédito. Algumas, nem foram ditas.

Qual efeito dessa cultura na sociedade e no mundo corporativo?

“Quem conta um conto aumenta um ponto”. Essa frase não é de Clarisse Lispector, nem de Monteiro Lobato, mas é quase perfeita. O famoso telefone sem fio, a conversa de corredor, o “boi na linha”. Imagine que muitas frases de efeito, que você certamente já repetiu ou então ouviu (uma ou outra), nunca foram ditas por seus supostos autores e algumas, sequer foram pronunciadas. São fantasias e acabamos acreditando e propagando. Tanto faz se a conversa ocorreu na lanchonete “Boca Maldita” ou na “maldita boca da internet”, que propaga “fakes” com a mesma velocidade que muda a página para uma nova estória.

A internet não é a única culpada. Muitas citações erradas ou maldosas já causaram grandes estragos no passado, imbróglios diplomáticos e até decapitação, quando não havia internet e nem telefone.

Atire a primeira pedra quem nunca pensou que fossem verdadeiras as mistificações abaixo:

“Os fins justificam os meios”

Essa famosa frase nunca foi dita por Nicoló Machiavelli em sua obra O Príncipe, oferecida a Lorenzo de Medici, com segundas intenções. Alguém resumiu os pensamentos do autor e distorceu aquilo que não pode ser resumido em uma única frase. Talvez, o trecho que mais se aproxime disso no livro está no final do Capítulo 18: “Procure, pois, um príncipe, vencer e manter o Estado: os meios serão sempre julgados honrosos e por todos louvados, porque o vulgo sempre se deixa levar pelas aparências e pelos resultados, e no mundo não existe senão o vulgo…”

“Tudo que pode dar errado, vai dar errado” ou, “Se algo pode dar errado, dará”

Major Edward Alvar Murphy Jr. (falecido em 1990) era engenheiro aeroespacial e uma citação sua, mal interpretada ou difundida erroneamente, deu origem à famosa Lei de Murphy. Ele nunca disse aquilo. Na realidade, cruzando a informação de George Nichols (engenheiro presente no teste em 1949) com a entrevista do filho de Murphy, Robert, a frase correta foi: “Se houver mais de uma maneira de fazer um trabalho e uma dessas maneiras puder resultar em um desastre, então ele fará dessa maneira”, referindo-se de forma pouco tolerante ao assistente técnico que provocou a falha em um importante teste aeronáutico.

“Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”

Não, a frase nunca foi dita por Albert Einstein e nem por Benjamin Franklin. A autoria dessa frase, até aqui é desconhecida.

“Todo mundo é um gênio, mas se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, vai gastar toda a sua vida acreditando que ele é estúpido”

Essa frase também não foi dita por Albert Einstein. Não há tal registro oficial.

“Mulheres bem-comportadas, raramente fazem história”

Mais uma frase de efeito, dessa vez atribuída à Marilyn Monroe, mas, também não é dela, embora combinasse perfeitamente com a loira. A frase, na verdade é da historiadora Laurel Thatcher Ulrich.

“Não concordo com uma palavra do que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-las”

Não se desaponte, mas Voltaire nunca disse essa frase. Originalmente aparece no livro The Friends of Voltaire, de 1906, onde a biógrafa Evelyn Beatrice Hall tenta resumir o pensamento do filósofo iluminista.

“Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças.”

Não há registro crível dessa famosa frase atribuída a Charles Darwin, mas há muitos autores de auto-ajuda que utilizam nomes de famosos para dar credibilidade aos seus discursos.

“Se não têm pão, que comam brioches”

Essa famosíssima frase também foi creditada para a pessoa errada. Em sua autobiografia, Jean-Jacques Rousseau afirmou que uma princesa ficou conhecida por dizer a frase “Se o povo não tem pão, que coma brioche”. Porém, quando Rousseau escreveu suas “Confissões”, Maria Antonieta tinha entre 12 e 14 anos. É mais provável que ele estivesse se referindo a Maria Teresa de Espanha, que teria dito a famosa frase, cem anos antes.

“Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos, pelo mesmo motivo”

O autor dessa pérola é desconhecido. Certamente, não foi Eça de Queiroz e nem Benjamin Franklin, que disseram tal frase. Eu apostaria em Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, pois a frase tem o “jeitão” dele.

“A genialidade é 1% inspiração e 99% transpiração”

Se você pensa que essa é mais uma frase de efeito do genial Albert Einstein, desculpe-me, mas não é. A frase foi dita por Thomas Edison.

“O Brasil não é um país sério”.

Charles de Gaulle nunca disse isso, oficialmente. No início da década de 1960, Brasil e França entraram em conflito diplomático por causa de divergências quanto à pesca de crustáceos (também conhecido como Guerra da Lagosta). Foi nesse contexto que o francês Charles de Gaulle teria dito: “O Brasil não é um país sério”. Contudo, quem difamou o próprio país foi o embaixador brasileiro Carlos Alves de Souza, ao sair de uma reunião com de Gaulle e pronunciar a frase aos jornalistas. O próprio de Gaulle desmentiu isso posteriormente, sem muito sucesso, pois até hoje há jornalistas brasileiros que citam a frase, com crédito ao ex-presidente francês, como se estivessem presentes naquela reunião em 1962, no Palácio do Eliseu.

E o mundo corporativo com isso?

História ou folclore, há uma grande quantidade de frases e citações desmistificadas em websites críveis para verificação de autenticidade, mas a reflexão para esses casos de propagação indevida deve ser estendida às nossas vidas em sociedade e no mundo corporativo, afinal, os elementos das inter-relações pessoais que deterioram o clima organizacional – e sobre os quais comento bastante em meu livro Potência Corporativa, recém lançado pela Editora Pensamento Corporativo Ltda – independem da mídia social para serem equivocadamente ou maldosamente propagados. 

A extraordinária reputação de um profissional pode ser construída sob os alicerces da competência e uma excelente assessoria de imprensa, mas, também pode ser prejudicada por quem conta um conto e aumenta um ponto e, como diz o provérbio, “há quatro coisas que, após lançadas, não voltam atrás: a flecha, a palavra pronunciada, a oportunidade perdida e as penas ao vento”. Em tempo, esse não é um provérbio chinês, nem árabe.

A internet ou aquele “cantinho da fofoca” no ambiente corporativo, não são culpados por aspectos comportamentais. No máximo, a internet é “o meio” e o cantinho do café, apenas uma desculpa.

Orlando Merluzzi