Nem tudo o que é moral é ético e isso vale também para o mundo corporativo

Nem tudo o que é moral é ético, Rosa Parks que o diga.

Uma vez que moral é o conjunto de regras aceitas por cultura, educação ou tradição, e ética é o julgamento feito sobre elas, quando Rosa Parks, em 1955, recusou-se a dar lugar a um homem branco no ônibus, dando início a um “quiproquó” danado nos EUA a partir do Alabama, ela considerou que aquela regra não era justa e não promovia o bem. Assim, mediante o seu julgamento, a moral vigente não era ética. Esse é um bom exemplo para não se confundir ética com moral.

De forma análoga, a moral no ambiente político brasileiro, principalmente no Congresso Nacional, Assembleias estaduais e Câmaras municipais é uma regra válida naquele ambiente, ou seja, se há troca de favores, acordos escusos, corrupção velada e legislações em causas próprias, eles se protegem e o espírito de corpo os blinda, mas, no julgamento dos milhões de “Rosas Parks” no Brasil, a moral política não é ética.

O que isso tem a ver com o mundo corporativo?

Muita coisa, principalmente se algumas empresas fizerem uma releitura em seus próprios valores que adornam paredes ou em seus códigos de ética e manuais de conduta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s